Browsing Tag

Editora Biruta

Livros

A Maravilhosa Terra de Oz

July 22, 2013
A Maravilhosa Terra de OzL. Frank BaumEditora Biruta

O Lenhador de Lata e o Espantalho voltam para mais uma aventura na Terra de Oz. Agora acompanharão o garoto Tip e seus amigos numa incrível jornada para tentar salvar a Cidade das Esmeraldas das ahulhas de tricô do Exército Rebelde, comandado pela general Jinjur.

Para isso, precisarão enfrentar a velha Mombi, desvendar o mistério por trás do sumiço da princesa Ozma e, mais importante, terão de aprender a lidar e a conviver uns com os outros.

No segundo livro da série de Oz, o leitor irá mergulhar ainda mais nessa terra mágica, se encantar com todos os seus mistérios e reencontrar personagens cativantes como Glinda, a Bondosa.

Em “A Maravilhosa Terra de Oz” temos um retomou a essa maravilhosa e encantada terra. Agora, tendo como protagonista Tip, um garoto criado pela bruxa Mombi que desconhece o paradeiro dos seus pais. Ele e seus amigos, entre eles o Lenhador de lata e o Espantalho, partirão em um aventura para tentar salvar a Cidades das Esmeraldas das terríveis agulhas de tricô do exército da general Jinjur. E contaram também com a grande ajuda e bondade de Glinda que os ajudará a enfrentar a mágica de Mombi e a desvendar o mistério da princessa Ozma.

Como falei no começo, nesse livro, temos um retomo à maravilhosa terra onde Dorothy viveu uma grande aventura e conheceu o Lenhador de Lata, o Espantalho e o Leão Covarde. Esse é o segundo livro da serie de treze livros sobre a Terra da Oz que surgiram quando o autor começou a receber cartas de fãs pedindo por mais aventuras.

A história é bem leve e fácil de ser ler. A cada capítulo você vai se encantando pela criatividade do autor em pegar coisas simples e transformar em algo mágico. Como se a criança estivesse imaginando uma brincadeira. Foi uma escolha maravilhosa para descansar tanto da rotina como das leituras mais tensas.

A Editora teve um trabalho maravilhoso nessa edição, como vocês podem ver nas fotos, com ilustrações de traço simples, mas que só atraem mais o leitor. A diagramação, fonte e espaçamento, também, estão de parabéns. Foi uma escolha bem feita. Me encantei assim que recebi.


Livros

60 Contos Diminutos

April 19, 2013
60 Contos DiminutosMarilia PirilloEditora Gaivota

“60 contos diminutos” são minicontos para ler a qualquer hora. Textos curtos, rápidos, de poucas linhas. Recortes da realidade, pequenas histórias do cotidiano. Espaços provocadores, deixados ali de propósito porque algumas vezes muito mais interessante que mostra é apenas surgir e deixar ao leitor a tarefa de “preencher” as lacunas e entender a história por trás da história. São 60 contos para fazer pensar, questionar, concordar ou discordar. Para imaginar diferente, se identificar, dar de ombros, destestar ou adorar.

60 Contos Diminutos reuni 60 minicontos que contam o cotidiano e duvidas da adolescência de uma maneira bem engraçada e gostosa de ler. Alguns tratam de questões que já foram ou são ainda nossas. Tudo de uma forma bem simples, como se fosse escrito por essas mesmas pessoas do conto (adolescentes) em um caderninho com rabiscos.

Foi o primeiro livro que solicitei da Editora Biruta para analise, porque já tinha lido algumas coisas boas sobre ele e queria comprovar se era bom mesmo. E não é que é! Em alguns contos vi situações que vivi ou que já tinham visto amigos (as) vivendo. E até uns são bastante questionados na mídia. Em outros ri muito. São contos pequenos e outros bem pequenos mesmo, com poucas linhas, que te faze lembrar algo vivido ou apenas ri.

Como estava em período de prova na faculdade tinha decidi ler só depois, mas acabei pegando um tempinho e lendo. Li em pouco tempo e acho que foi a escolha certa, tanto como solicitação como para o momento, já que queria me distrair um pouco da tensão das provas. E esse conto fez isso, me fazendo ri com alguns contos e a pensar em alguns outros.

A diagramação é linda, muito bem feita. Em cada página com um conto tem rabiscos – ilustrações em forma de rabiscos feitos pela própria autora – que tão mais aproximação com o leitor. A capa lembra os moleskines e isso tudo passa a ideia de que é feito por nós mesmo (quem está na fase ou já passou) relatando algum fato vivido.

E os assuntos são vários, como primeiro amor, alimentação, relação com os pais, separação dos pais, costumes, e quase não se repetem. Enfim tudo bem cotidiano como se fosse relatos e confissões de adolescentes ou apenas um desabafo.

Blog

A primeira editora parceira, a gente nunca esquece!

March 10, 2013

Hoje vim dar uma notícia super boa que recebi quinta-feira passada (07/03). O blog agora possui uma editora parceira, como vocês podem ver na sidebar e na página de parceiros. E isso é uma conquista muito importante para mim e que não seria possível se não fosse o carinho, os comentários e os acessos de vocês aqui no blog, por isso que não considero uma ganho somente meu, mas de todos nós. Muito obrigado à vocês por me ajudarem a alcançar isso. =}

Bom e para quem não conhece a Editora Biruta vou falar um pouco dela aqui e também do seu outro segmento, a Editora Gaivota (também parceira). Mas primeiro, vocês lembram do livro Cordeluna o qual eu participei de um booktour? Não confere a resenha aqui. Ele é a Editora Biruta e como eu falei na resenha, é um livro muito bem elaborado, tanto visualmente (diagramação e ilustrações) quanto literalmente (forma de escrita e elementos conectivos), o que é marca das duas Editoras.

Sobre a Editora Biruta

A editora Biruta foi criada no ano de 2000 por duas profissionais com grande experiência nas áreas de educação e sociologia. Eny Maia e Mônica Maluf reúnem à experiência profissional à paixão pela leitura que consideram como Arrigucchi: …”um espaço de liberdade e imaginação, um lugar de felicidade”.

Na posição de editoras o compromisso é oferecer aos leitores o melhor texto, as mais criativas ilustrações, e projetos gráficos instigantes. O livro será então um objeto pelo qual se pode dialogar com o mundo a partir das pequenas e grandes experiências de cada um.

A editora Biruta tem sua linha de publicações direcionada para três áreas: Literatura infantil, Literatura Juvenil e Ciências Humanas. Conheça e saiba mais aqui.

Sobre a Editora Gaivota

Qualidade literária, projetos gráficos ousados e instigantes, ilustrações que encantam… É tudo o que almeja uma Editora de livros infantojuvenis que considera seus leitores sensíveis, inteligentes e curiosos. E este é o objetivo desta jovem editora – Gaivota -, criada no final de 2011, um novo selo lançado pela Editora Biruta.

Mas o desafio vai além. Percebemos uma lacuna importante nos textos destinados a crianças e jovens: livros que abordem temas de diferentes áreas do conhecimento de forma a despertar a atenção e a curiosidade dos leitores. A abordagem lúdica de temas muitas vezes considerados herméticos, complexos ou desinteressantes pode servir de trampolim para estimular e/ou facilitar o interesse em conhecer e aprofundar esses assuntos.

Aproximar crianças e jovens de temas que parecem distantes de seu cotidiano pode despertar e antecipar interesses que, muitas vezes, se revelam tardiamente. Mas este foco não exclui a apresentação de obras que estimulem a fantasia, inspirem a aventura e deem acesso aos nossos jovens leitores ao que há de melhor na literatura infantojuvenil nacional e estrangeira. Conheça e saiba mais aqui.

Ambas as editoras tem livros com abordagens simples, o que não costumamos ler tanto, com histórias de linguagem simples para o determinado publico alvo. E tem um trabalho muito na publicação dos livros que encantam tanto pela escrita como pela arte (tanto da capa como as partes internas). E fico muito contente mesmo pela parceria, porque, como falei, não são livros que nós lermos mais ultimamente e que serve tanto para você sair dos gêneros populares como refletir, pensar e relaxar.

Em breve trago mais coisas boas sobre elas. E quem quiser fazer parceria com o blog, vai lá no contato e me manda um e-mail que assim que possível responto. =}

Livros

Resenha: Cordeluna

August 21, 2012
CordelunaÉlia BarcelóEditora Biruta

Mil anos atrás, uma história de amor foi interrompida pela desgraça e uma maldição. Um poder tão maligno que tinha conseguido dominar seus espíritos geração após geração. E enquanto isso, os apaixonados esperam… condenados a se reencontrar e voltar a se perder por culpa do ciúme e do ódio. O cavaleiro e a dama. O guerreiro e a donzela. Até que talvez um dia, talvez em nossa época, séculos depois, um poder superior e benigno consiga pôr um fim ao malefício. Apaixonante novela que combina história e fantasia, amor e maldade, bruxaria e religião, criada pela escritora Élia Barceló, conhecida como a “Dama Negra” da literatura espanhola, ganhadora em duas oportunidades do Prêmio Edebé de Romance Juvenil. A história se passa na Idade Média e é muito bem retratada no livro, que destaca costumes e valores da época. As sangrentas guerras entre muçulmanos e cristãos pela expansão e posse de seus domínios. No posfácio, a editora explica os diferentes períodos da História e descreve a fascinante personalidade de El Cid.

Pode um amor durar por mil anos sem que a paixão se acabe? Em Cordeluna, um amor ficou preso e condenado por mil anos devido uma maldição e tem agora, no século XXI, sua ultima chance.

A história começa no século XI, Baixa Idade Média, tendo como personagens Sancho, um grande guerreiro de dom Rodrigo (Él Cid/Campeador) e Guiomar, jovem condensa de Peñalba. Um casal de apaixonados que não pode viver o seu amor por uma diferença de classe social e pelos ciúmes de Brianda, madrasta de Guiomar.

Já no século XXI, um grupo de jovens se reúne em Burgos, Espanha, para encenar uma peça e fazer um documentário sobre a vida de Él Cid. Onde Sergio e Glória irão interpretar Él Cid e dona Ximena, sua esposa, respectivamente. No entanto, eles não iram só encenar essa parte da história, como viveram e sentiram, também, outra desconhecida pelos historiadores e pessoas locais. E tentaram por um fim e dar paz a esse amor tão sofrido.

Cordeluna foi para mim um duplo gosto de se ler. Primeiramente por ser meu primeiro Book Tour, tento toda a experiência em compartilhar um único livro com pessoas de diferentes estados. Segundo, por ser uma história com uma leitura super gostosa e que há tempos não lia livros assim sobre medievalismo. O que me fez lembrar sempre de Donm Quixote de La Mancha (Don Quijote de la Mancha).

A história se divide e oscila entre dois tempos, cada um com características da época, mas que não o torna cansativo, pelo menos para mim, na hora que ia para a período medieval minha cabeça já estava preparada para as mesóclises e formalidades da época, e nos dias de hoje, já sabia que era uma linguagem bem informal.

A autora não dividiu o livro em capítulos e sim em tempos, medieval, onde começa toda a história, e atual, onde ela é revivida e tem sua ultima chance de sucesso. Nessas passagens de tempo, achei super legal como à autora fez, trazendo muitas vezes trechos de um tempo para outro, como também momentos de uma mesmo personagem. Recuso que suaviza as passagens e não faz uma mudança de época brusca.

A diagramação do livro é toda trabalhada no período medieval, como enfeites e capitular, primeira letra de um capítulo, com uma fonte medieval. E essa capa linda, que quando vi por foto, pensei que fosse até de capa dura. Enfim já deu para perceber que gostei mesmo desse livro né?!

Queria agradecer a Gabi pela oportunidade de participar do Book Tour e espero poder participar de outros mais.